EVENTO: 28 set. Instituições e processo decisório

No próximo dia 28 (sexta-feira), às 14h, estaremos na Unirio com a prof. Ana Luiza Paiva, do ECEME, para a palestra intitulada “Instituições e processo decisório: uma análise da arquitetura institucional de defesa no Brasil e nos Estados Unidos”. O evento é aberto ao público.

Este estudo tem por escopo a avaliação do grau de paridade existente entre a arquitetura institucional de Defesa no Brasil e nos Estados Unidos, destacando o modo pelo qual os principais atores – estatais e não estatais – articulam-se nas arenas decisórias. Ao longo da pesquisa, buscou-se mapear as instituições envolvidas no policymaking e analisá-las a partir do conceito de path dependence, em uma tentativa de recuperar os processos históricos e sociais que levaram à conformação da atual arquitetura institucional de defesa nos dois modelos estudados. Neste trabalho, a comparação é utilizada com propósitos heurísticos, isto é, a partir do exame do caso norte americano, objetiva-se não somente a avaliação do grau de paridade entre os dois modelos organizacionais, mas também identificar possíveis lacunas deixadas pela literatura especializada tendo em vista as limitações de estudos sobre processo decisório em defesa no Brasil. Desse modo, este trabalho vem a suprir lacunas as lacunas observadas sobre a temática no país. Ademais, como forma de complementar a escassez de fontes primárias e secundárias para analisar o caso brasileiro, optamos por lançar mão da ferramenta metodológica de survey, por meio da qual puderam ser coletadas informações pertinentes às variáveis delimitadas neste estudo. Para tanto, buscou-se realizar entrevistas com os principais atores envolvidos nas questões de defesa, a saber, acadêmicos, militares e burocratas. Os resultados do estudo apontam para um grau limitado grau de paridade entre os dois modelos institucionais, uma vez que cada um deles vem sendo influenciado historicamente por diferentes variáveis, sendo elas, domésticas e sistêmicas. Conclui-se, portanto, que a despeito das similaridades no que concernem ao sistema político em que se inserem os atores decisores de defesa nas duas unidades analisadas, no caso brasileiro, as questões relativas ao controle civil, a forte atuação dos militares no processo decisório e o baixo grau de coordenação interagências são fatores que diferem a arquitetura brasileira da norte-americana.

 

Cartaz 28-09-2018